Data: junio 20, 2013 | 1:51
A meliponicultura como um pequeno negócio...

Produtores da reserva extrativista Chico Mendes trabalhan com diversas espécies de abelhas

A Secretaria Estadual de Pequenos Negócios realizou uma capacitação para os novos apicultores da região do Alto Acre. | Foto Angela Peres

A Secretaria Estadual de Pequenos Negócios realizou uma capacitação para os novos apicultores da região do Alto Acre. | Foto Angela Peres

© Eduardo Gomes | Agência Notícias do Acre

A Secretaria Estadual de Pequenos Negócios (SEPN) realizou de 12 a 14 deste mês uma capacitação para os novos apicultores da região do Alto Acre. Serão 18 novos produtores da reserva extrativista Chico Mendes trabalhando com diversas espécies de abelhas sem ferrão.

O projeto piloto faz parte da política de fomento aos pequenos negócios desencadeada pela SEPN, através da coordenação do programa da cadeia produtiva do mel. “Cerca de 85% do mel produzido no Acre é de espécies sem ferrão, por isso vimos a necessidade de capacitar essas pessoas para que elas pudessem aumentar sua renda aproveitando os recursos naturais. O treinamento é mediado pelos técnicos da própria secretaria e tem por objetivo capacitar os moradores da comunidade, para que no futuro eles possam caminhar sozinhos”, garantiu Sebastiana Miranda, coordenadora do programa.

O curso tem carga horária de 40 horas, sendo 20 horas de aulas teóricas e outras 20 de aulas práticas. O local para a realização dos cursos é definido pela equipe do núcleo da SEPN em Brasileia e pelos próprios participantes, para que não haja necessidade de deslocamento dos alunos até a cidade. As coletas são feitas pelo produtor dentro da propriedade, antes disso, é necessário que toda a área seja mapeada e as colmeias identificadas.

Com a identificação da colmeia a ser realocada, os alunos seguem um passo-a-passo, realizando as seguintes tarefas:
– Limpeza do local ao redor da colmeia;
– Identificação do melhor local para o corte na árvore;
– Abertura do caule e localização da colmeia;
– Transferência da abelha-rainha e base da colmeia;
– Transferência das demais partes da colmeia;
– Retirada do mel, cera e saborá;
– Realocação da colmeia.

É importante lembrar que durante o processo de captura e transferência das abelhas, o apicultor mantém na colmeia 30% do mel produzido, esse percentual servirá de alimentação para os insetos menores durante o período de adaptação ao novo ambiente. A caixa-colmeia permanece em um local próximo até que todas as abelhas entrem, depois de três dias ela é recolhida pelo produtor e levada até o local escolhido para a formação de seu plantel. As caixas são cedidas ao produtor pela SEPN por meio de um convênio com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), dependendo da demanda e da produção de cada apicultor, ele pode receber até dez caixas.

"Essa oportunidade de ter o próprio negócio sem sair da nossa rotina, no local onde moramos, com as ferramentas que temos costume de usar, é boa", disse Marinho Ferreira. | Foto Angela Peres

“Essa oportunidade de ter o próprio negócio sem sair da nossa rotina, no local onde moramos, com as ferramentas que temos costume de usar, é boa”, disse Marinho Ferreira. | Foto Angela Peres

Marinho Ferreira, 46, mora na reserva há mais de 23 anos com a esposa e os seis filhos. Ficou sabendo do projeto por intermédio da Associação de Moradores e Produtores do Projeto de Assentamento Agroextrativista Santa Quitéria (Ampaesq), “o convite foi feito pelo presidente da nossa associação, aceitei participar porque espero melhorar minha renda. Aqui a gente produz pra nossa própria subsistência, somos da agricultura familiar e essa oportunidade de ter o próprio negócio sem sair da nossa rotina, no local onde moramos, com as ferramentas que temos costume de usar, é boa. Eu agradeço mesmo esse governo, a gente tá sendo valorizado”, declarou.

O produtor rural sempre teve como hábito a retirada do mel das colmeias que ele encontrasse na floresta. Quer fosse para o consumo próprio ou para a venda em pequena quantidade, o processo era muito prejudicial às abelhas, muitas delas morriam, outras não retornavam e a colmeia ficava abandonada, inviabilizando a colheita no ano seguinte. No atual processo a colheita é realizada até duas vezes por ano.

Antônio Rodrigues é morador da reserva e vive basicamente da agricultura familiar. | Foto Angela Peres

Antônio Rodrigues é morador da reserva e vive basicamente da agricultura familiar. | Foto Angela Peres

eu Antônio Rodrigues, 49, é morador da reserva desde que nasceu, casou, teve sete filhos e vive basicamente da agricultura familiar. Perguntado sobre essa nova oportunidade de negócio ele se mostra otimista. “Eu nasci e me criei aqui, a floresta sempre nos deu tudo. O mel que eu tirava era só pro consumo mesmo, agora eu quero me aperfeiçoar, ensinar meus filhos e aumentar minha renda. A principal diferença agora é que a gente não mata as abelhas, não estraga a colmeia e tem sempre o mel. Eu tô com fé que vai dar certo”, afirmou confiante.

O programa é desenvolvido com produtores de 12 municípios acreanos. Em 2013, mais de 1.600 famílias devem ser beneficiadas nessa parceria da SEPN e a Secretaria de Extensão Agroflorestal e Produção Familiar (Seaprof). No Alto Acre, aproximadamente 200 famílias já são atendidas pelo programa, nas cidades de Brasileia, Assis Brasil e Epitaciolândia. “A meliponicultura trouxe uma mudança de comportamento, é um sonho audacioso, queremos incluir o mel na merenda escolar, exportar para o resto do país. O governo confia no produto e acredita no mercado consumidor”, disse Sebastiana.

Curiosidades

O mel é recomendado para o sistema nervoso, vias respiratórias e pele. Também é calmante, laxante e desintoxicante. Adoçante universal, melhora o rendimento físico e aumenta a resistência, substituindo o açúcar. É constituído pelas vitaminas B, B1, B2, B5, B6 e sais minerais como fósforo, potássio, magnésio e ferro.
Própolis: tem ações anti-inflamatórias, antifúngicas, antioxidantes, antissépticas, anticariogênicas, bactericidas, bacteriostáticas, cicatrizantes e anestésicas. É usada na medicina, veterinária, zootecnia, agricultura e na conservação dos alimentos.
Cera: mascada pura, destrói o tártaro dentário e depósitos de nicotina. Se mascada com mel, purifica as vias nasofaríngeas, além de ser muito eficiente nos casos de sinusite.
Geleia real: O subproduto do mel é fabricado com a parte conhecida como “saborá”, substância amarelada que tem propriedades medicinais. O consumo da geleia eliminação o cansaço físico e mental, abre o apetite e ativa as funções cerebrais, além de ter efeito antioxidante.
LINKS RELACIONADOS
datos y analisis



Soria Galvarro



Komadina



Reporteros Sin Fronteras



CPJ



Knigth Center