Data: junio 30, 2012 | 22:09
Los Geoglifos se hacen visibles a medida que aumenta la deforestación

Geoglifos do Acre podem ser reconhecidos como Patrimônio da Humanidade

Os geoglifos do Acre foram incluídos pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) numa lista indicativa de bens passíveis de ser declarados pela Unesco como Patrimônio da Humanidade no Brasil…

© Altino Machado
 

Geoglifo da fazenda Atlântica, na BR-364.

Os geoglifos do Acre são sítios arqueológicos com estrutura de terra – valas de 1 a 3 metros de profundidade em formas geométricas. Existem em grande quantidade no Acre, onde já foram identificados mais de 100 até o momento. Estão dispersos, ainda, no Peru e  Bolívia, países vizinhos do Acre.

Os geoglifos, que foram construídos pela ação humana há cerca de 1.000 anos, ainda estão em processo de pesquisa. Podem ter sido estruturas defensivas, centros cerimoniais, locais de encontro e peregrinação.
Segundo a argumentação do Iphan, estes bens colocam questões sobre estes povos que os construíram e sobre a sustentabilidade dos ecossistemas da floresta tropical e sua expansão e retração nos dois últimos milênios.
Os sítios arqueológicos se revelaram após os pecuaristas derrubarem e tocarem fogo nas florestas para a formação de pastagens em suas propriedades.

Coordenadas geográficas

Usuários do Google Earth ou Maps Google podem apreciar alguns dos 120 geoglifos do Acre, a partir das seguintes coordenadas: (10°12’13.32″S 67°10’18.09″W), (10°22’1.61″S 67°43’24.89″W), (10°18’24.51″S 67°13’12.50″W), (10°13’49.01″S 67° 7’26.71″W), (10°17’14.08″S 67° 4’32.97″W), (10°13’5.25″S 67° 9’28.94″W), (10°18′ 06.64″S 67° 41’41.55″W), (10°11’27.65″S 67°43’20.11″W).
No ano passado, o paleontólogo Alceu Ranzi e a arqueóloga Denise Schaan percorreram algumas regiões do Acre durante 15 dias e localizaram novos geoglifos.
Geoglifo Bimbarra, a apenas 1000 metros da sede da prefeitura de Capixaba – um círculo com meia lua interna, nas coordenadas 10°34’08″ S 67° 40′ 00″ W , que apresenta grande potencial turístico pela proximidade da cidade.
Geoglifo Hortigranjeira, considerado complexo, com dois circulos, linhas paralelas e outras estruturas, nos fundos da Cidade Hortigranjeira, a 5 Km do asfalto da BR-317, no Ramal Sementeira, nas coordenadas 10° 27′ 58″ S 67° 44′ 25″ W , também em Capixaba.
Geoglifo Gavião, de estruturas complexas, circulos, quadrados e linhas, nas coordenadas 10° 31′ 34″ S 67° 37′ 59″ W, em Capixaba.
Geoglifo Fazenda Crixá, também de estruturas complexas, circulos, linhas, quadrados e polígonos, coordenadas: 10° 35′ 43″ S 67° 41′ 09″ W (Capixaba).
Outro, um pouco mais antigo, mas pouco divulgado, é o Geoglifo Tequinho, de estruturas complexas, tendendo para os retângulos. Está nas coordenadas: 09° 53′ 50″ S 67° 25′ 20″ W , no ramal do Pelé, Perto da Vila Pia, na BR-317.
Mais fotos e informações podem ser obtidas no site Geoglifos do Acre, criado pelo paleontólogo Alceu Ranzi e o filho dele, o biólogo Tiago Juruá.
A casa de Chico Mendes
também Patrimonio da Humanidade
É uma casa histórica porque remete simbolicamente à memória do seringueiro que se notabilizou por lutas em defesa de trabalhadores rurais, índios e populações tradicionais da floresta, divulgando idéias preservacionistas que encontram acolhida acolhida no mundo inteiro.A casa onde viveu o líder sindical e ecologista Chico Mendes, em Xapuri (Estado do Acre), também foi incluída pelo Iphan na lista Indicativa de bens passíveis de ser declarados Patrimônio da Humanidade. É uma cnstrução singela de madeira que obedece a um sistema construtivo ainda de uso freqüente e tradcional na região amazônica.
De acordo com o Iphan, o reconhecimento da Casa de Chico Mendes como Patrimônio Mundial valoriza os moradores locais e abre a possibilidade de enaltecer a importância da luta em prol da causa ambiental amazônica, levando ao reconhecimento de todos as tradições culturais dos povos da floresta, do seu modo de viver e habitar, pautados na apropriação sustentável  dos recursos ambientais dessa região do mundo.
 
links relacionados
coronavirus



sopa de mani



desastre total



Reporteros Sin Fronteras



CPJ



Knigth Center