BALANÇO DO ETNOCÍDIO NA AMAZÔNIA | Os assassinatos são cometidos por o crime organizado que promovem e financiam os exploradores ilegais de ouro e madeira, e por as milícias ligadas ao desmatamento e queima de florestas para possibilitar terras agrícolas e pecuárias...

AUMENTA A MATANÇA DE LÍDERES INDÍGENAS

O número de lideranças indígenas mortas em conflitos no campo em 2019 foi o maior em pelo menos 11 anos. | Foto Lucas Landau, Rede Xingú

© Patrícia Figueiredo | G1
Pra leitura em móbil ativar tela horizontal |

De acordo com a Comissão Pastoral da Terra (CPT), o número de lideranças indígenas mortas em conflitos no campo em 2019 foi o maior em pelo menos 11 anos.

Em dados divulgados na segunda-feira 9 de dicembro, das 27 pessoas que morreram por conflitos no campo neste ano, 7 eram líderes indígenas, contra 2 em 2018.

Os casos mais recentes envolveram três ativistas indígenas. No Maranhão, em Jenipapo dos Vieiras, dois indígenas Guajajara morreram e outros dois ficaram feridos durante um atentado no sábado 7 de dicembro em Manaus, no Amazonas, o ativista da etnia Tuyuca Humberto Peixoto Lemos morreu no hospital após ser agredido a pauladas.

O levantamento da CPT é feito com base em dados enviados pelas pastorais de cada região. São levados em consideração apenas assassinatos relacionados a conflitos pela terra. Além das mortes de lideranças, o estudo contabiliza também mortes de indígenas que não são líderes de suas comunidades. Levando em consideração as mortes de lideranças e de indígenas somadas, 2013 e 2016 tiveram números maiores.

Os dados deste ano são preliminares: o balanço final só será feito em abril do próximo ano.

Agronegócios, queimadas e assassinatos

Crime organizado e milícias estão ligados a desmatamento e queimadas na Amazônia

O ministro da Justiça Sergio Moro, autorizou em dicembro o envio da Força Nacional para a terra indígena do Maranhão onde duas lideranças da etnia Guajajaras foram mortas no fim de semana.

Ao menos 27 pessoas já morreram por esse motivo em 2019. Ainda que parcial, o número deste ano já é quase igual ao do ano passado, quando ocorreram 28 mortes. Em 2019, o grupo que teve maior número de vítimas foi o de lideranças indígenas.

Segundo Paulo César Moreira, da Coordenação Nacional da CPT, o aumento no número de mortes de lideranças indígenas é resultado de um discurso de «violência institucionalizada» nos conflitos do campo.

«Nós vivemos um momento em que o Estado é o agente promotor das agressões. Com todo esse momento político que a gente vive, os responsáveis pelas violências decidiram que esses povos indígenas não têm direitos e que têm que ser eliminados. Com isso, a gente está vendo um massacre», diz Paulo Moreira, coordenador da Pastoral da Terra.

Lista de lideranças indígenas mortas em 2019:

  • 27/02/2019: Cacique Francisco de Souza Pereira, morto aos 53 anos no conflito da comunidade Urucaia, em Manaus (AM)
  • 13/06/2019: Cacique Willames Machado Alencar, morto aos 42 anos no conflito da comunidade Cemitério dos Índios, em Manaus (AM)
  • 22/07/2019: Emyra Waiãpi, morto aos 69 anos no conflito da terra indígena Waiãpi/Aldeia Mariry, em Pedra Branca do Amapari (AP)
  • 06/08/2019: Carlos Alberto Oliveira de Souza («Mackpak»), morto aos 44 anos no conflito da comunidade Cemitério dos Índios, em Manaus (AM)
  • 01/11/2019: Paulo Paulino Guajajara, morto aos 26 anos no conflito da terra indígena Arariboia/92 Aldeias/Etnias Guajajara, Gavião e Guajá, em Bom Jesus da Selva (MA)
  • 07/12/2019: Cacique Firmino Prexede Guajajara, morto aos 45 anos no conflito da terra indígena Cana Brava/Aldeias Coquinho/Coquinho II/Ilha de São Pedro/Silvino/Mussun/NovaVitoriano, em Jenipapo dos Vieiras (MA)
  • 07/12/2019: Raimundo Benício Guajajara, morto aos 38 anos no conflito da terra indígena Lagoa Comprida/Aldeias Leite/Decente, em Jenipapo dos Vieiras (MA).

O etnocídio como estratégia política

O levantamento da CPT é feito com base em dados enviados pelas pastorais de cada região. São levados em consideração apenas assassinatos relacionados a conflitos pela terra.

Além das mortes de lideranças, o levantamento contabiliza também mortes de indígenas que não são líderes de suas comunidades. Levando em consideração as mortes de lideranças e de indígenas somadas, 2013 e 2016 tiveram números maiores.

Para Paulo Moreira, as mortes dos líderes são mais danosas às comunidades porque enfraquecem a luta do grupo por direitos e por territórios.

«A estratégia [por trás dos assassinatos] é enfraquecer a comunidade. Quando não se consegue, o que eles fazem é tentar atingir pessoas da comunidade de forma às vezes até aleatória. Mas a morte de lideranças é de forma bem arquitetada, para diminuir atuação e enfraquecer o grupo todo», diz Moreira.

Tendência criminal crescente

Outro estudo, elaborado pelo Conselho Indigenista Missionário (Cimi), já apontava uma tendência de aumento na violência contra a população indígena em 2018.

Segundo relatório publicado em setembro pelo conselho, cresceu 20% o número de assassinatos de indígenas em comparação com o levantamento anterior.

Os dados mais recentes são de 2018, quando foram registradas 135 mortes. Em 2017, foram 110 casos.

Dados preliminares do conselho também mostraram aumento nos casos de invasão e exploração ilegal de terras indígenas. De janeiro a setembro de 2019, o Cimi verificou 160 casos de invasão em 19 estados.

Antes do fim do ano, o número já é mais de 40% maior que o consolidado de 2018, com 111 invasões registradas. Rondônia e Amazonas foram, no ano passado, os estados com maior incidência desta ação criminosa.

VERSIÓN EN ESPAÑOL:

pueblos-indigenas

desastre total



sopa de mani



elecciones2019



Komadina



Soria Galvarro



Reporteros Sin Fronteras



CPJ



Knigth Center